Giussani, O sentido religioso (Portogallo)

O Sentido Religioso

Prefácio de James Francis Stafford. Tradução de Henrique Barrilaro Ruas
Luigi GiussaniVerbo - Lisboa 2002
Páginas: 208
Primeira edição: 2000


A única pretensão dos volumes do PerCurso é proclamar a verdade: querem indicar como surgiu, mesmo historicamente, o problema cristão. O desenrolar dos capítulos não se propõe encarar exaustivamente todos os problemas, mas assinalar o caminho a percorrer. O caminho da racionalidade. Porque Deus, revelando-Se no tempo e no espaço, dá resposta a uma exigência do homem.
É hoje vulgar ouvir dizer que a razão não tem a ver com a fé. Mas que vem a ser a fé? Que vem a ser a razão?
A mentalidade moderna reduz a razão a um conjunto de categorias em que a realidade é forçada a entrar. O que não entrar nessas categorias será definido como irracional. Pelo contrário, a razão é como um olho escancarado para a realidade, que bebe avidamente a realidade, Ihe regista os nexos e implicações, dela discorre, circula dentro do real, de objecto em objecto, conservando todos na memória e tende a abraçar tudo. É com a razão que o homem enfrenta a realidade. É a razão que nos define como homens. Por isso devemos ter a paixão da racionalidade; é esta paixão o fio condutor do itinerário que vamos seguir. É o que explica que o primeiro volume do PerCurso, O Sentido Religioso, se abra com três premissas de ordem metodológica, próprias para compreendermos como, por natureza, a consciência dos homens raciocina.