Passos

Passos N. 249, Agosto 2022

Corremos juntos até uma grande meta
Como editorial deste mês publicamos o comunicado final da Companhia das Obras do Brasil que nos dias 1 e 2 de julho realizou seu 10º Fórum com o título “Na política, o protagonista é o eu”. O Destaque desta edição de Passos retoma o tema do encontro.

Após estes dias de intenso trabalho e testemunhos potentes de amigos do Brasil, da Argentina e da Itália ficou ainda mais aberta a pergunta: realmente acreditamos que a política se constrói a partir do nosso eu? É uma revolução profunda demais? Do que mais precisamos para que esta consciência se desperte em cada um de nós?

A partir dessas perguntas, e de nossa experiência na preparação e condução do Fórum, descobrimos algumas riquezas que gostaríamos de compartilhar com todos.

A primeira constatação é de que o Fórum não se resume aos dias do evento. Aqueles que se envolvem com a vida da CdO vivem uma jornada de construção do eu. Nesse tempo, cresceu entre nós uma amizade que nos corrige e sustenta nessa caminhada: um povo em caminho, capaz de gerar, e uma companhia concreta no âmbito do trabalho, que entra na vida real. Não existe protagonismo sem uma companhia, porque precisamos de um lugar temporal e concreto, uma mão que nos eduque agora.

Em segundo lugar, se aprofundou a consciência de que temos uma riqueza que devemos gritar ao mundo. O 10º Fórum foi pautado pela experiência, não por retóricas ou pensamentos, mas por exemplos vivos de como um eu transformado e protagonista começa a mudar o mundo. O amor para o bem comum nasce de uma lealdade com o nosso eu e se educa numa companhia de amigos.

Nesse sentido, o protagonismo não é uma estratégia, mas o grito de resposta a uma realidade que nos sensibiliza, toca e provoca. Estar no real aberto ao que faz tremer o coração é o caminho do protagonismo e transforma a realidade na qual estamos inseridos e, segundo as oportunidades e desejo de Deus, muda o entorno de maneira mais ampla. “Com a política precisa-se de um ingênuo atrevimento.”

Em um momento que temos a tentação de reduzir a política a uma escolha pontual de alguém que, mais ou menos, possa resolver os problemas do país, do estado ou da cidade em que vivemos, o 10º Fórum da CdO Brasil nos apontou que, mais do que essa escolha temporal, o que transforma a realidade é um “eu” que educa e se deixa educar, que se envolve com a realidade na qual está inserido a partir de critérios sólidos do coração.

Ficamos então com este desejo, que ouvimos nas palavras do testemunho de Silvio Cattarina nestes dias: “... correr juntos até uma grande meta: não correr até as pessoas que encontramos, mas correr com elas até que sejam sempre mais elas mesmas, protagonistas de suas vidas, assim como nós que desejamos ser mais nós mesmos!!”