Leigos e religiosos

«O acontecimento, que mudou a vida do Fundador, “feriu” também a de muitos dos seus filhos espirituais, e deu lugar às numerosas experiências religiosas e eclesiais que formam a história da vossa ampla e articulada Família espiritual» (Bento XVI, 24 de março de 2007).

Do carisma de Dom Giussani nasceram livremente congregações de adultos com o objetivo de ajudar-se a viver o cristianismo nas condições vocacionais nas quais se encontram: leigos, religiosos e religiosas, sacerdotes diocesanos e sacerdotes missionários; são formas que permitem «viver de modo profundo e atualizado a fé cristã [...] com uma espontaneidade e uma liberdade que permitem novas e proféticas realizações apostólicas e missionárias» (Bento XVI, 24 de março de 2007).

Fraternidade de CL
É a congregação mais representativa, reconhecida como Associação Universal de Fiéis pelo Conselho Pontifício para os Leigos na data de 11 de fevereiro de 1982.
Fundada e presidida por Dom Giussani até a sua morte, hoje é guiada pelo Padre Julián Carrón e reúne nos seus grupos – presentes em todos os continentes – cerca de 65 mil adultos.
A Fraternidade nasceu da experiência daqueles que, terminada a universidade, queriam viver também como adultos o pertencer à Igreja em uma dimensão de comunhão, seguindo o carisma de Dom Giussani.
A adesão prevê uma regra essencial de ascese pessoal: momentos cotidianos de oração, a participação em encontros de formação espiritual, dentre os quais os anuais Exercícios Espirituais e os retiros, o empenho com a manutenção, também econômica, das iniciativas de caritativas, missionárias e culturais, promovidas ou mantidas pela Fraternidade.
(cfr. Luigi Giussani, L'opera del movimento. La fraternità di Comunione e Liberazione, 2002)

A adesão prevê uma regra essencial de formação e acesso pessoal

Memores Domini
A Associação laical Memores Domini nasce em 1964 com a denominação "Grupo adulto". Foi aprovada em 1988 pela Santa Sé como Associação Eclesial Privada Universal. Fazem parte pessoas de CL que seguem uma vocação de dedicação total a Deus vivendo no mundo e que se empenham com a missão, vivendo o próprio trabalho profissional como lugar de memória de Cristo, praticando os conselhos evangélicos – obediência, pobreza, virgindade – em continuidade com a tradição da Igreja, como lhes ensinou Dom Giussani. Os Memores vivem comunitariamente em "Casas" para sustentar-se na memória de Cristo.

Fraternidade Sacerdotal dos Missionários de San Carlo Borromeo
«Ide por todo mundo para levar a verdade, a beleza e a paz, que se encontram em Cristo Redentor». São as palavras de João Paulo II ao Movimento em 1984. No ano seguinte nasce, por iniciativa de Dom Massimo Camisasca, a Fraternidade San Carlo, reconhecida em 1999 como instituto de direito pontifício. Uma comunidade de jovens sacerdotes a serviço da missão cristã, disponíveis para ir a qualquer lugar, conforme a necessidade da Igreja e que a vida do Movimento lhes peça.
www.sancarlo.org

«Ide por todo mundo para levar a verdade, a beleza e a paz, que se encontram em Cristo Redentor»

Missionários de San Carlo Borromeo
Nascem em 2004 para dividir a vida e os ideais da Fraternidade San Carlo, servindo ao carisma de Dom Giussani.
www.missionariesancarlo.org

Congregação das Irmãs de Caridade da Assunção
Nos anos 60, algumas jovens de CL entraram na ordem das Pequenas Freiras da Assunção, fundada na França pelo Padre Stefano Pernet nos anos 80: Dom Giussani havia reconhecido uma sintonia com o seu modo de entender e viver a vida cristã. Desta intuição nasce em 1993 a Congregação das Irmãs de Caridade da Assunção, que encontra em Giussani uma direção para viver atualmente o carisma do Padre Pernet. O centro do seu serviço são as famílias, a partir de um trabalho de assistência a enfermos, às crianças com dificuldades, aos idosos. Em 2006 a Santa Sé confirmou a decisão das Irmãs de Caridade de declarar Dom Giussani o fundador do instituto junto ao Padre Pernet.

Fraternidade São José
Reúne pessoas que decidem dedicar total e definitivamente a própria vida a Cristo na virgindade, segundo os conselhos evangélicos de pobreza, castidade e obediência, permanecendo cada um no seu próprio ambiente de vida pessoal e de trabalho, sabendo que «o Batismo e a Crisma podem ser suficientes para afirmar uma dedicação total a Cristo e à Igreja» (cfr. Dom Giussani, Litterae, n. 6/1989).

Para saber mais, escreva a: secretarianacional@cl.org.br