O brilho dos olhos. O que nos arranca do nada?

O novo livro de Julián Carrón, que chegará na versão física aos assinantes da Passos em agosto, já está disponível on-line. «Um percurso que, enraizado numa experiência e numa história, se oferece como contribuição para todos»

Saiu a Passos de agosto

Leia o editorial on-line e veja o sumário da edição. Já foi enviada aos assinantes a versão digital. Confira no seu email.
O porto de Beirute após a explosão
Atualidade

Beirute. «Ainda estamos vivos»

O barulho, a corrida à procura dos amigos e colegas, entre escombros e destruição. E o medo que volta como um fantasma do passado. Rony é libanês e trabalha para a Avsi, que acaba de promover uma arrecadação de fundos

É como um veneno que no sangue, que na primeira ocasião volta a fazer mal. «A gente já viveu isso. O barulho, o tremor dos prédios, a coluna de fumaça... Assim, aos sessenta anos, volta o medo e a dor pela nossa terra tão afligida». Rony Rameh é libanês. ...

Quando o Papa visitou Hiroshima e Nagasaki

Alguns meses atrás, a primeira etapa da viagem de Francisco ao Japão nos lugares dos massacres de 1945. Aqui, o relato da enviada da Tracce naquela ocasião, num lugar «onde a ferida se torna grito de salvação»

«O outro pertence à definição do meu eu»

Dia 25 de julho, por videoconferência, Julián Carrón apresentou seu livro O despertar do humano. Num diálogo com o empresário Carlos Ferreirinha, foram abordadas questões verdadeiras para todo homem. Assista também ao vídeo
Perth (Foto George Bakos/Unsplash).
Cartas

Perth. O presente da ternura

John viveu o confinamento na Austrália, obrigado a ficar em casa com filhos e netos. Uma situação aparentemente ideal, mas nada fácil: «Fui obrigado a dar alguns passos, inclusive tendo os pés lavados por minha filha na Quinta-feira Santa»

Olho para a experiência destes meses – na Austrália nós também tivemos de viver o confinamento – e penso que estive entre os privilegiados. Tenho um trabalho fixo na universidade e o período de confinamento coincidiu com um semestre sabático. Fiquei em ca...

Em caminho até Aparecida
Cartas

Uma companhia que possibilita um caminho

Só quatro jovens puderam fazer a peregrinação anual dos universitários ao Santuário de Aparecida. Mas com eles, conectados, iam dezenas de amigos de nove países. «Seguindo um “sim” que deu carne ao Ideal que nos alcançou»

No dia 18 de julho, sábado, quatro jovens universitários – Ricardo, Cecília, Ana Luísa e Alanis, fizeram o caminho até o Santuário de Aparecida em nome de toda a América Latina. O gesto, que originalmente convocava – pela segunda vez no Brasil – os univer...

Com o coração nas mãos

Relembre a história de Alpha. Ela vem de uma ilha das Filipinas. A busca irredutível de um sentido a levou a redescobrir «a beleza de depender». E a um encontro com a comunidade de CL nos EUA que mudou a vida dela e de Maurizio.