O New York Encounter de 2019

«Algo do qual partir». É esse o título da feira de Manhattan que começa hoje. Muitos palestrantes e testemunhos. Mas não só. «Para descobrir a resposta ao desejo de felicidade de cada um», como desejou o Papa aos participantes

Neste fim de semana, no já histórico marco do Metropolitan Pavilion di Manhattan, celebra-se a edição de 2019 do New York Encounter, três dias intensos de encontros e propostas culturais com participantes e convidados do mundo todo. Um programa repleto na Grande Maçã, com o tema “Algo do qual partir”, inspirado numa citação de Cesare Pavese: «Alguém nos prometeu algo? Então por que esperamos?».

«Estamos interessados em explorar esse “algo” e encontrar pessoas que encarem a vida conscientes dessa expectativa», explicam os amigos de Nova York, que inseriram no programa, para abrir o evento, justamente um encontro «sobre a esperança obstinada do coração humano» com testemunhos de Itaúna (Brasil), Aleppo (Síria) e Boston (EUA). Muitos nomes vão revezar-se nas salas do Encounter entre os dias 15 e 17 de fevereiro: o cardeal Sean O’Malley; o núncio apostólico nos EUA, Christophe Pierre; padre Julián Carrón; o teólogo Stanley Hauerwas; o editorialista do New York Times, David Brooks; Enrico Petrillo, marido de Chiara Corbella; Dawn Ford e Jenny Hubbard: aquele, um sobrevivente, esta, a mãe de uma menina morta no massacre da escola Sandy Hook... E muitos outros convidados para falar de muitos outros temas: educação, astronomia, música, literatura... E não vão faltar mostrar (por exemplo, sobre Educar é um risco, de Dom Giussani) e espetáculos.



«Que nestes dias os participantes possam descobrir, no profundo de seu coração, a resposta ao desejo de felicidade e de significado, essa resposta que é nosso Senhor Jesus Cristo», foram os votos do papa Francisco numa carta do cardeal Pietro Parolin aos organizadores: «Desta forma, apesar das incertezas da vida diária, o Encounter de 2019 dará frutos num compromisso renovado com o testemunho, que todo mundo é chamado a dar, do amor onipotente de Deus pela família humana».