O que nos arranca do nada? Introdução

A introdução do texto que Julián Carrón está preparando sobre o tema «O que nos arranca do nada?»
Julián Carrón

Caríssimos amigos,
este ano havíamos programado os Exercícios anuais da Fraternidade com a pergunta: «O que nos arranca do nada?» Um imprevisto imponente e dramático forçou-nos a abrir mão do nosso encontro, sempre profundamente esperado por todos. Isso não enfraqueceu a pergunta, mas tornou-a ainda mais aguda, pela natureza do desafio que estamos enfrentando no mundo todo. Portanto, a situação mesma que se veio a criar é que torna mais urgente a comparação com a pergunta, buscando uma resposta que se demonstre à altura dela. Pareceu-nos, assim, necessário continuar a nos acompanhar neste tempo vertiginoso, em que o nada pesa tão fortemente sobre a vida de todos. Desejamos estar diante da provocação que nos concerne a todos sem nos retrairmos, o que nos permitirá verificar se o conhecimento novo e a afeição nova, próprios da «criatura nova» gerada pelo Batismo, vêm se tornando em nós «a consciência normal com que atravessar todo o conjunto de circunstâncias da realidade» (L. Giussani; S. Alberto; J. Prades, Deixar marcas na história do mundo. São Paulo: Companhia Ilimitada, 2019, p. 82). Dom Giussani oferece-nos uma sugestão metodológica preciosa para realizar esta verificação: «Para que a mentalidade seja realmente nova, é preciso que, a partir de sua consciência de “pertencer”, esteja continuamente empenhada na comparação com os acontecimentos presentes». O empenho na comparação com os acontecimentos presentes é o método que nos é indicado para que a mentalidade se torne realmente nova. Com efeito, «se não entra na experiência presente, o conhecimento novo não existe, é uma abstração. Nesse sentido, não dar juízos sobre os acontecimentos é mortificar a fé» (Ibidem, pp. 83-84). A promessa de que tal comparação pode fazer florescer em nós aquela criatura nova que nasce do Batismo e se desperta no encontro com uma comunidade cristã viva, torna fascinante este nosso caminho comum. O texto que estou preparando e sobre o qual vamos trabalhar nos meses que vêm pretende ser o instrumento para isso. A seguir vocês podem ler a Introdução.

Baixe o PDF ou o ePUB da Introdução